Rede de apoio social e intersetorialidade entre educação e saúde nos anos iniciais do ensino fundamental

Martha Wankler HOPPE, Katiane M RAMOS

Resumo


A rede de apoio social e afetiva na infância constitui importante elemento de promoção da resiliência na vida adulta, pois sedimenta recursos internos, habilidades sociais, cognitivas e emocionais para lidar com as diferentes situações. Como parte importante de sustentação dessa rede, situamos a escola e os contatos que a criança estabelece e mantém em seu meio. O desempenho escolar depende das condições de apoio que a criança percebe e como pode compartilhar as situações vivenciadas fora da escola. Assumindo a saúde da criança no contexto escolar, por meio da intersetorialização é possível potencializar fatores de proteção às vulnerabilidades a que a criança está exposta. Assim, este estudo objetiva a identificação da percepção de apoio social em crianças que ingressaram no ensino público, para constituição e fortalecimento das relações dos setores saúde e educação. A metodologia utilizada é de estudo de caso com instrumento de coleta de dados quantitativo e qualitativo. O registro da rede de apoio social foi efetuado com o Mapa dos cinco campos (Hoppe, 1998), e seis entrevistas com professoras e mães. Os resultados apontam para a importância da escola como rede de apoio para substituir laços familiares fragmentados. A dicotomia apoio-cuidado mostrou-se um aspecto a ser aprofundado tanto na coleta de dados quanto na análise. O apoio remete ao reconhecimento de cuidado e para a efetivação desse apoio é necessária a presença de diversos setores que participam da promoção da saúde, enquanto cuidado efetivo e de forma intersetorial.

Palavras-chaves: intersetorialidade; apoio social; educação; saúde.

 


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .