Espelhos da leitura na escola pública: por que nossa pátria ainda não é nossa língua?

Rosane de Bastos Pereira, Sandra Mara Fulco Pirola

Resumo


Neste artigo nos propomos a refletir sobre a política de distribuição de acervos literários às escolas públicas brasileiras. Os dados resultaram da pesquisa de doutorado “O leitor através do espelho – E o que ele ainda não encontrou por lá!”, desenvolvida em Campinas (SP), e na Inglaterra, entre 2008 e 2013. O Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) é um dos braços fortes do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) e o Ministério da Educação (MEC) envia os acervos às escolas públicas. Contudo, a ausência de mediadores efetivos nas escolas representa um entrave para a formação de leitores. O sistema educacional público brasileiro tem uma espécie de dívida não paga com os estudantes. A língua portuguesa talvez se empobreça nessa longa hibernação, em que a distância entre o aluno e livro, ao invés de se estreitar, aflora.

Palavras-chave: escolas públicas; leitores; programa nacional biblioteca da escola (PNBE).


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .