A educação financeira como política pública no ensino básico: Algumas reflexões

Patricia Franzoni, Silvana Neumann Martins, Marli Teresinha Quartieri

Resumo


No Brasil, percebe-se que a educação financeira vem conquistando espaço nos últimos anos, diante da atual
conjuntura em que se encontra o país. O governo seguindo uma tendência mundial elaborou a Estratégia Nacional
de Educação Financeira (ENEF), política pública implementada no ano de 2010 que teve como objetivo promover
a educação financeira e previdenciária da população. Parte fundamental da ENEF é a educação financeira nas
escolas, que visa instruir e formar cidadãos conscientes financeiramente. A partir do ano de 2017 entrou em vigor,
também, a lei 12.102, da cidade de Porto Alegre (RS), com a finalidade de fomentar a educação financeira nas
escolas de ensino fundamental e médio da rede pública municipal de ensino. Neste artigo propõe-se uma discussão
acerca da importância das políticas públicas de educação financeira como proposta no ambiente escolar brasileiro,
além de fazer uma breve análise da ENEF e da lei 12.102. É importante destacar que embora as políticas públicas
de educação financeira forneçam valiosas contribuições na área de finanças pessoais, apresentam limitações, outros
aspectos devem ser contemplados, é necessário não apenas levar educação financeira para as escolas, mas também
conceitos de economia. Problematizar porque o governo aumenta a taxa de juros quando tem inflação no país,
porque é preciso reduzir o consumo em períodos de recessão e como uma crise internacional pode repercutir no
Brasil são algumas questões que também precisam ser discutidas.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .