O que quer dizer educação emancipatória na creche para as crianças de 0-3 anos? Entre o adultocentrismo e a descolonização

Solange Estanislau dos Santos, Ana Lúcia Goulart de Faria

Resumo


Este artigo discutirá a creche como espaço de emancipação humana e de construção de epistemologias e experiências descolonizadoras. Pensar numa educação emancipatória desde o nascimento pressupõe-se desconstruir várias concepções que percorrem o imaginário e a práxis educativa das instituições brasileiras e que, por muito tempo, invisibilizaram as crianças pequenas e os bebês. É preciso colocar de ponta cabeça os modos de pensar as crianças pequenininhas e os espaços educativos. É necessário trazer as especificidades, as multiplicidades e as possibilidades desses sujeitos históricos e concretos que produzem culturas infantis e resistem a colonização, a opressão e a subordinação da sociedade adultocêntrica. Para isso, posicionamos nosso olhar na tensão das abordagens marxistas em direção as perspectivas pós-colonialistas a fim de antropofagicamente produzir inspirações teóricas e metodológicas para pensar as crianças, as infâncias e a educação infantil.

Palavras-chave: Emancipação; creche; crianças pequenas; bebês; culturas infantis; adultocentrismo; pedagogia descolonizadora.


Referências


BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em .

BARBOSA, Maria Carmem Silveira; RICHTER, Sandra R. S. Creche: uma estranha no ninho educacional. Dialogia, São Paulo, v. 17, p. 75-92, 2013.

BOLLE, Willi. Walter Benjamin e a cultura da criança. In: BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo e a educação. Trad.: Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Summus, 1984. p. 13-16.

CHAUÍ, Marilena. Ideologia e educação. Educação e Sociedade, Campinas, n, 5, p.24-40 , 1980.

DEPOIMENTO de Eduardo Galeano na praça Catalunya, 24/05/11. Disponível em: . Acesso em: abr. 2014.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Apresentação. In: GEPEDISC – CULTURAS INFANTIS (Org.). Culturas Infantis em creches e pré-escolas: estágio e pesquisa. Campinas/SP: Autores Associados, 2011, p. xiii-xvii.

______ . O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma Pedagogia da educação infantil. In: ______ ; PALHARES, Marina Silveira (Orgs.). Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados, FE–UNICAMP; São Carlos: Editora da UFSCar; Florianópolis: Editora da UFSC, 1999, p. 67-100.

______ ; BARREIRO, Alex; SANTIAGO, Flavio; MACEDO, Elina Elias de; SANTOS, Solange E. Por uma educação infantil emancipatória: infâncias, adultos e adultas decolonizadas /os. Nuevamérica, Buenos Aires, v. 138, p. 35-39, 2013.

FERNANDES, Florestan. As “Trocinhas” do Bom Retiro: contribuições ao Estudo Folclórico e Sociológico da Cultura e dos Grupos Infantis. Pró-Posições, Campinas, v.15, n. 1 (43), jan.-abr./2004.

FINCO, Daniela e FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Creches e pré-escolas em busca de Pedagogias Descolonizadoras que afirmem as diferenças. In: ABRAMOWICZ, Anete; VANDENBROECK, Michel (Orgs.). Educação infantil e diferença. São Paulo: Papirus, 2013, p.109-124.

GALEANO, Eduardo. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. Porto Alegre: L&PM, 2007.

______ . O livro dos abraços. 9. ed. .: Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 2002.

______ . As veias abertas da América Latina. Trad.: Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 2010.

GUATTARI, F. As creches e a iniciação. In: ______ . Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 50-55.

JOBIM E SOUZA, Solange. Pré-escola: em busca de suas funções. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.48, p.74-6, Fev. 1984.

MIGUEL, Antonio. Infâncias e Pós-colonialismo. Educação e Sociedade, Campinas, n.128, p.629-996, jul.-set./2014.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação: para quem? Ciência e Cultura, Campinas, n.28, v. 12, p. 1466-71, dez.1976.

SANTIAGO, Flávio. “O meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado”. Hierarquização e racialização das crianças pequenininhas negras na educação infantil. 147f. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Unicamp. Campinas/SP.

SANTOS, Solange Estanislau dos; FARIA, Ana Lúcia Goulart de; MACEDO, Elina Elias de. Educação infantil e diversidade cultural: para uma Pedagogia Macunaímica. In: ABRAMOWICZ, Anete; VANDENBROECK, Michel (Orgs.). Educação infantil e diferença. São Paulo: Papirus, 2013, p.49-70.

SANTOS, Solange Estanislau dos; FARIA, Ana Lúcia Goulart de; BARREIRO, Alex; SANTIAGO, Flavio; MACEDO, Elina Elias de. Apresentação do Dossiê: por uma infância descolonizada. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, v. 31, p. 145-151, 2013.

SANTOS, Solange Estanislau dos. As crianças (in) visíveis nos discursos políticos da educação infantil: entre imagens e palavras. 162f. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Unicamp. Campinas.

SILVA, Adriana Alves. Estrangeira: a criança. Anais do II Seminário de grupos de pesquisa sobre crianças e infâncias: perspectivas metodológicas (Grupeci). Rio de Janeiro, 2010.

______ . Invenções e transgressões poéticas de crianças pequenininhas na creche. 101f. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade de Educação, Unicamp. Campinas/SP.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad.: Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira de Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STEVAUX, Fernando Peixoto. O socialismo utópico de Charles Fourier e sua utopia de infância e educação de crianças. 69f. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade de Educação, Unicamp. Campinas/SP.

TONUCCI, Francesco. Frato: 40 anos com olhos de criança. Porto Alegre: Artmed, 2008.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat-net.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR