O MST e a luta ao direito da educação infantil do e no campo: considerações sobre a desigualdade entre campo e cidade a partir da década de 1990

Caroline Mari de Oliveira

Resumo


Este artigo apresenta considerações sobre a Educação Infantil no e do Campo e a desigualdade de acesso ao direito a esta etapa do ensino nos territórios rurais, a partir da década de 1990. Focalizamos, nossas análises no papel dos do MST enquanto sujeito coletivo impulsionador de produção e transformação da realidade camponesa no Brasil. A partir das análises históricas e dialéticas realizadas, compreendemos que a Educação Infantil destinada às crianças residentes dos territórios rurais, ainda, está em construção e permanece resistente na luta pela implementação e fortalecimento de políticas públicas que garantem a Educação Infantil no e do Campo.

Palavras-chave: Educação do e no campo; educação infantil do e no campo; MST; políticas públicas.


Referências


ALVES, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

ARENHART, D. A mística, a luta e o trabalho na vida das crianças do assentamento: Conquista na fronteira: significações e produções infantis, 2003.

ARROYO, M. Que educação básica para os povos do campo? In: Educação Básica de Nível Médio nas áreas de Reforma Agrária. Textos de Estudo Boletim da Educação n. 11 MST/ITERRA, RS, 2005.

______ . Formação de Educadores do Campo. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I.B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

BARBOSA, M. C.; GEHLEN, I.; FERNANDES, S. B. A oferta e a demanda de Educação Infantil no campo: um estudo a partir de dados primários. In: BARBOSA, M. C. [et al] (Org.). Oferta e demanda de educação infantil no campo. Porto Alegre: Evangraf, 2012. p. 71-106.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: 1988. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2002.

______ . Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

______ . Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, Brasília, DF, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2015.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

______ . Elementos para a construção do projeto político pedagógico da Educação do Campo. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Cadernos Temáticos: educação do campo. Curitiba: SEED/PR, 2005.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. Tradução Silvana Finzi Foá. São Paulo: Xamã, 1997.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F.; FERREIRA, I.M. Creches e pré-escolas no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

CORRÊA, B. C. A educação infantil. In: OLIVEIRA, R. P.; ADRIÃO, T. (Org.). Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. 2. ed. São Paulo: Xamã, 2007. p. 13-30.

CORAGGIO, J. L. Desenvolvimento humano e educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1995.

GHELLERE, F. C. Educação Infantil do Campo e as Políticas Internacionais: novas lutas, tendências e contradições. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

HÖFLING, E. M. Estado e Políticas (Públicas) Sociais. Cadernos CEDES, Campinas, ano XXI, n. 55, p. 33-41, nov. 2001.

KOLLING, E. J.; NERY, I.; MOLINA, M. C. Por uma Educação Básica do Campo (memória). Brasília: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, 1999.

KUHLMANN JR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LIMA, A. C.; SILVA, I. M. S. Movimento social e a educação: dimensões primordiais no processo de formação humana. . In: AZEVEDO, M. L. N.; LARA, A. M. B. (Org.). Políticas para a educação: análises e apontamentos. Maringá: EDUEM, 2011.

MAKARENKO, A. S. Tradução por G. N. Filonov; In: BAUER, C. Buffa, E. (Org.). Anton Makarenko.Recife: Fundação Joaquim Nabuco: Editora Massangana, 2010.

MANIFESTO DO Fórum Nacional de Educação do campo. Fórum Nacional de Educação do campo – FONEC. Brasília, 2012.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos e outros textos escolhidos. Tradução de José Carlos Bruni, José Arthur Gianotti e Edgard Malagodi. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

MESZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2007.

MOLINA, M. C.; NÉRY, I; KOLLYNG, E. J. Caderno n. 1 “Por uma educação básica do campo (memória)”. Brasília: Setor de Educação, 1999.

MST. Caderno de Educação n. 12. Educação Infantil: movimento da vida, dança do aprender. Setor de Educação: 2004.

MUNARIM, Antônio. Trajetória nacional de educação do campo no Brasil. Edição n. 01, volume, 33, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2013.

OLIVEIRA, C. M. As relações contraditórias entre MST e Estado na criação e implementação de políticas para a Educação do e no Campo no Estado do Paraná, a partir de 1990. 328 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

OLIVEIRA, C. M.; CECÍLIO, M. A. História das políticas educacionais para a Educação do Campo no Estado do Paraná. In: Jornada do HISTEBR, 10. Anais Eletrônicos...Vitória da Conquista/BA:Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2015.

OLIVEIRA, L. M. T.; CAMPOS, M. Educação Básica do CAMPO. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, P. 237-245.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. 5. ed. São Paulo: Scipione, 2010.

SILVA, A. P. S.; PASUCH, J. Orientações curriculares para a Educação Infantil do Campo. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2015.

______ . Educação Infantil do Campo. São Paulo: Cortez, 2012.

SHIROMA, E. O. Redes sociais e hegemonia: apontamentos para estudos de política educacional. In: AZEVEDO, M. L. N.; LARA, A. M. B. (Org.). Políticas para a educação: análises e apontamentos. Maringá: EDUEM, 2011.

TOUSSANT, E. A bolsa ou a vida. A dívida externa do terceiro mundo: as finanças contra o povo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

UNICEF. Situação Mundial da Infância: Crianças em um Mundo Urbano. Brasília: UNICEF, 2012.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat-net.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR