Um corpo negado: a importância da educação infantil para a construção e a afirmação da identidade étnico-racial de crianças pré-escolares

Cristina Teodoro Trinidad

Resumo


Este artigo tem por finalidade apresentar alguns dos resultados alcançados via pesquisa realizada com crianças pré-escolares. Propõe-se a discutir a identificação étnico-racial a partir das falas de crianças e a demonstrar que critérios e valores sociais, baseados no racismo, foram apropriados, particularmente, aqueles que levam crianças negras a negarem seus próprios corpos. Explicita-se, por meio de análises, a importância e o papel da instituição de Educação Infantil, como espaço de transformação social, de reconhecimento e de valorização da diversidade e, especialmente, de sua responsabilidade para o desenvolvimento de propostas e práticas pedagógicas que possibilitem as crianças, particularmente as negras, construírem identidades pautadas no orgulho de si e do seu pertencimento étnico-racial.

Palavras-chave: Relações étnico-raciais; diversidade étnico-racial; crianças; educação infantil; corpo; identidade étnico-racial.


Referências


ABOUD, F. E. The Development of Ethnic Self-Identification and Attitudes. In: PHINNEY, J. S.; ROTHERAM, M. J. Children’s Ethnic Socialization. Newbury Park: Sage Publications, 1987.

ARRAIGADA, P. A. Ethnic identity development. The Ohio State University, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, 2004.

______ . Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB 20/2009 e Resolução CNE/CEB 05/2009. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. MEC, SEB, 2010.

CASHMORE, E. Dicionário das relações étnicas e raciais. São Paulo: Summus, 2000.

CLARK, K. B.; CLARK, M. P. Racial Identification and Preference in Negro Children. In: PROSHANSKY, H.; SEIDENBERG, B. (Ed.). Basic studies in social psychology. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1996.

DELGADO, A. C. C; MÜLLER, F. Em busca de metodologias investigativas com crianças e suas culturas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 125, maio/ago. 2005.

FAZZI, R. C. O drama racial de crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

GOMES, N. L. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 75-84, maio/ago. 2003.

______ . Como trabalhar com “raça” em Sociologia. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 93-97, jan./jun. 2003.

HOLMES, R. M. How young children perceive race. California: Sage Publications, 1995. (Series on race and ethnic relations, 12).

JONES, J. M. Racismo e preconceito. Tradução Dante Moreira Leite. São Paulo: Edgard Blücher/Edusp, 1973.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 41-59, jul. 2002.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MUNANGA, K. Negritude: usos e sentidos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1988.

______ . Negritude e identidade Negra ou Afrodescendente: um racismo ao avesso?. Revista da ABPN. v. 4, n. 8, jul.-out. 2012.

OSÓRIO, R. G. O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE. Brasília: IPEA, 2003. (Texto para Discussão, 996).

PINTO, M. A infância como construção social. In: PINTO, M.; SARMENTO, M. J. (Coord.). As crianças: contexto e identidades. Braga: Centro de Estudos da Criança, 1997.

______ ; ROSEMBERG, Fúlvia. Cor nos censos brasileiros. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (Org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 91-120.

ROCHA, E. J. Auto-declaração de cor e/ou raça entre alunos(as) paulistanos(as) do ensino fundamental e médio: um estudo exploratório. Dissertação de Mestrado (Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

ROSEMBERG, F. Estatísticas educacionais e cor/raça na educação infantil e no ensino fundamental. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 17, n. 33, p. 15-42, 2006.

SILVÉRIO. V. R & TRINIDAD. C. T. Há algo novo a se dizer sobre relações raciais no Brasil?. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 891-914, jul.-set. 2012.

TRINIDAD, C.T. Identificação étnico-racial na voz de crianças em espaços de educação infantil (tese de doutorado). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2011.

______ . Diversidade étnico-racial: por uma prática pedagógica na educação infantil. In: BENTO, M. A. S. (Org.). Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. CEERT, 2011.

VYGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat-net.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR