Extensão universitária como responsabilidade social: análise de uma prática

Paulo Angelo Lorandi

Resumo


Este artigo analisa o projeto de extensão universitária sobre educação em saúde, na perspectiva da consecução da responsabilidade social do ensino superior. É trabalho de cunho qualitativo, com opção metodológica pela pesquisa-ação. Envolve alunos de graduação e os responsabiliza pela promoção da cidadania, a partir da educação em saúde. Ações extensionistas são espaços adequados para a formação social, assumindo o compromisso do agir coletivo pela cidadania. Trilha as redes sociais para popularização da ciência, atuando como ferramenta pedagógica.

Palavras-chave: extensão universitária; interdisciplinaridade; responsabilidade social.


Referências


AGUIAR, G. A. Uso das ferramentas de redes sociais em bibliotecas universitárias: um estudo exploratório com as bibliotecas da UNESP, UNICAMP e USP. 2012. 184 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação)- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

BOURDIEU, P. Capital simbólico e classes sociais. Novos Estudos, Cebrap, Trad. Fernando Pinheiro. São Paulo, n. 96, p. 105-115, jul. 2013a.

______ . Espaço físico, espaço social e espaço físico apropriado. Estudos Avançados, São Paulo, v. 27, n. 79, p. 133-144, 2013b.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

_____. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Extensão Universitária: Organização e Sistematização. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais – PROEX. COOPMED Editora, 2007.

_____. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares - Cursos de Graduação. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES022002.pdf>. Acesso em: 08 fev. 2016.

CALDERÓN, A.I.; PEDRO, R.F.; VARGAS, M.C. Responsabilidade social da Educação Superior: a metamorfose do discurso da UNESCO em foco. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v. 15, n. 39, p. 1185-98, out./dez. 2011.

CANDEIAS, N. M. F. Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 312, p. 209-213, 1997.

CECY, C. Diretrizes Curriculares – Dez anos. Pharmacia Brasileira, Brasília, n. 80, p. 53-54, fev/ mar 2011. Boletim Abenfarbio.

CHAUÍ, M. Ventos do progresso: a universidade administrada. In: PRADO JUNIOR, B. et al. Descaminhos da educação pós-68. Debate 8. São Paulo: Brasiliense, 1980. p.31-56.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio - PIBIC- EM. Disponível em < http://www.cnpq.br/web/guest/pibic-ensino-medio>. Acesso em: 14 maio 2013.

CUNHA, M. I. da. A universidade: Desafios Políticos e Epistemológicos. In: Pedagogia Universitária: Energias Emancipatórias em Tempos Neoliberais. Araraquara: Junqueira&Marin, 2006.

DIAS SOBRINHO, J. Educação superior, globalização e democratização: qual universidade? Rev. Bras. Educ., v. 10, n. 28, p. 164-73, 2005.

ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS, 1. 1987, Brasília. Extensão universitária: diretrizes conceituais e políticas: Documento Final. Brasília: Universidade de Brasília, 1997.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Política Nacional de Extensão Universitária. Maio 2012. Disponível em . Acesso em: 12 ago. 2015.

FÓRUM NACIONAL DE EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA DAS UNIVERSIDADES E INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR COMUNITÁRIAS. Estatuto. Belo Horizonte: 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2015.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 11. reimpressão. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

FRANCO, M.L.P.B.; ZIBAS, D.M.L. Educação-produção: as distorções do sistema. Educ. Soc., Campinas. v. 10, n. 29, p. 100-122, jul. 1988.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais. Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GOMES, A. M. Estado, mercado e educação superior no Brasil: um modelo analítico. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 84, 2003.

HENNINGTON, E. A. Acolhimento como prática interdisciplinar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n.1, jan./fev. 2005.

JAPIASSÚ, H. Introdução às Ciências Humanas. Análise epistemológica histórica. São Paulo: Letras&Letras, 1994.

L'ABBATE, S. Educação e serviços de saúde: avaliando a capacitação dos profissionais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 15, p. 15-27, 1999. Suplemento 2.

LORANDI, P. A. Ensino de Farmácia. Estratégias pedagógicas para a reconceituação da saúde. 2002. 104 f. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

______ . Ensino de Farmácia. Uma análise crítica das propostas curriculares. 1997. 117 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, São Paulo, 1997.

LU, Y. et al. The world medicines situation 2011. Medicine expenditures. Geneva, World Health Organization, 2011.

MARGONATO, F. B.; THOMSON, Z.; PAOLIELLO, M.M.B. Acute intentional and accidental poisoning with medications in a southern Brazilian city. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, 2009.

MEY, J. L. As vozes da sociedade: letramento, consciência e poder. Delta, São Paulo, v. 14, n. 2, 1998.

MINAYO, M.C.S. (Org.); DESLANDES, S.F.; GOMES, R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2011. Edição digital.

MOREIRA, A.F.; SILVA, T.T. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: ______ . (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995. p. 7-38.

MORIN, E. A ética do sujeito responsável. In: CARVALHO, E. A. (Org.). Ética, solidariedade e complexidade. São Paulo: Palas Athena, 1998. p. 65-77.

MOTTA-ROTH, D.; MARCUZZO, P. Ciência na mídia: análise crítica de gênero de notícias de popularização científica. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte , v. 10, n. 3, p. 511-538, 2010.

MOTTER, F.R.; OLINTO, M.T.A.; PANIZ, V.M.V. Conhecimento sobre a farmacoterapia por portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 8, p. 2263-2274, 2013.

OENNING, D.; OLIVEIRA, B. V.; BLATT, C.R. Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação. Ciênc. saúde coletiva, v. 16, n. 7, p. 3277-3283, 2011.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Promoción del uso racional de medicamentos: componentes centrales. Perspectivas políticas sobre medicamentos de la OMS sobre medicamentos. Ginebra, 2002.

REIS J. Ponto de vista: José Reis (entrevistadora Alzira Alves de Abreu). In: MASSARANI, L.; MOREIRA, I. C.; BRITO, F. (Org.) Ciência e Público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, UFRJ, 2002. Publicada originalmente na revista Ciência Hoje, v. 1, jul./ago. 1982.

ROSEMBERG, J.M. et al. Current status of pharmacist-operated drug information centers in the United States. Am J Health-Syst Pharm, Bethesda, Maryland, v. 61, p. 2023-2032, 2004.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 103-109, 2001.

SGUISSARDI, V. A universidade neoprofissional, heterônoma e competitiva. Disponível em: . Acesso em 14 maio 2009.

SILVA, E.M.; ARAUJO, D. L. Influência do histórico de letramento dos candidatos na mobilização de práticas letradas na redação de vestibular. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p. 705-725, 2011.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente. Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

THIOLLENT, M.J.M. Metodologia da pesquisa-ação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

THIOLLENT, M.J.M.; COLETTE, M.M. Pesquisa-ação, universidade e sociedade. In: XIII COLOQUIO DE GESTIÓN UNIVERSITARIA EN AMÉRICAS, 2013, Buenos Aires. Anais... Buenos Aires: Facultad Regional Buenos Aires, da Universidad Tecnológica Nacional, 2013.

VASCONCELLOS, C. Uso de redes sociais na comunicação científica é discutido em seminário. Jornal da Ciência, 23 de agosto de 2012. Disponível em . Acesso em: 13 maio 2013.

VIDOTTI, C. C. F. et al. Sistema Brasileiro de Informação sobre Medicamentos – SISMED. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.16, n.4, p.1121-1126, out-dez 2000.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The rational use of drugs. Report of the Conference of Experts Nairobi, 25- 29 November 1985. Geneva, 1985.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat-net.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR