Compreensões sobre a formação docente no âmbito do programa nacional de integração da educação profissional com a educação básica na modalidade DE educação de jovens e adultos (PROEJA): do discurso estratégico ao discurso comunicativo

Sebastião Silva Soares

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo compreender as possibilidades e os desafios encontrados na implementação da política de formação docente para o PROEJA a partir da visão dos professores atuantes no programa. O estudo foi construído com base em quatro eixos de análise: política de formação docente – António Nóvoa, Marcelo Garcia, Bernardete Gatti, Ilma Passos Alencastro Veiga; Cleide Quixadá, Paulo Freire, Oneida Oto Shiroma, Selma Garrido Pimenta–; Educação de Jovens e Adultos – Margarida Machado, Maria Clara Di Pierro, Leôncio Soares–; educação profissional e tecnológica – Maria Ciavatta, Célia Regina Otranto, Dante Moura, Acácia Kuenzer –; racionalidade comunicativa e o agir comunicativo – Jonh Habermas, Catia Piccolo Vieiro Devechi; Armindo Trevisan, José Pedro Boufleuer, Armindo José Longhi e Nadja Prestes, dentre outros autores. Os sujeitos da pesquisa foram os professores atuantes no curso de Técnico em Manutenção e Suporte para Internet, integrado ao ensino médio, na modalidade de Educação de Jovens e Adultos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – campus Luziânia. Por meio da abordagem hermenêutica crítica e reconstrutiva buscou-se compreender o contexto da formação desses professores utilizando a análise documental, o questionário e a entrevista para a produção de dados. Constatou-se a partir da visão dos docentes que a política de formação docente para o PROEJA vem sendo desenvolvida de maneira particular em cada instituição, principalmente no que se refere ao ingresso do professor nos cursos de formação inicial e continuada para trabalhar com jovens e adultos. Verificou-se que muitos professores não conhecem a política ou não tiveram a oportunidade de participar de programas de formação devido a questões pessoais e profissionais. No final do estudo, por meio de releitura dos dados produzidos, apresenta-se possíveis contribuições da teoria do agir comunicativo para a formação dos professores, a fim de discutir a possibilidade de uma comunicação mais ampliada no tratamento da formação dos professores para o PROEJA e no processo de implantação do programa. Portanto, conclui-se que a proposta de formação docente para o PROEJA é ainda uma realidade distante na visão da maioria dos professores, principalmente quando se refere ao acesso e à permanência dos docentes, sendo que boa parte dos professores não apresenta uma formação para atuar no PROEJA. Por outro lado, o estudo aponta a necessidade de valorizarmos, na educação, ações pedagógicas orientadas para uma aprendizagem comunicativa, no sentido da melhor compreensão sobre o assunto.

Palavras-chave: política de formação docente; educação profissional; prática pedagógic; PROEJA.

 


Referências


BOUFLEUER, J. P. Pedagogia da ação comunicativa: uma leitura de Habermas. Ijuí: UNIJUÍ, 1997.

CIAVATTA, M. Educação Básica e Educação Profissional: descompassos e sintonia necessária. In: OLIVEIRA, Edna Castro; PINTO, Antônio Henrique; FERREIRA, Maria José de Resende (Org.). Eja e educação profissional: desafios da pesquisa e da formação no PROEJA. Brasília: Liber Livros, 2012.

______. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

DEVECHI, C. P. V. Racionalidade comunicativa e a fundamentação da educação no contexto do pensamento pós-metafísico. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

______. TREVISAN, A. L. Habermas na educação: entre a verdade epistemológica e pragmática. In: TAUCHEN, Gionara; SILVA, João Alberto da (Org.). Educação em ciências: epistemologia, princípios e ações educativas. Curitiba: CRV, 2012.

DI PIERRO. M. C. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 1115-1139, out. 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

GARCIA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GATTI. B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out/dez. 2010.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

______. Teoría de la acción comunicativa II: crítica de la razón funcionalista. Madrid: Taurus, 1987.

______. Teoria do agir comunicativo II: sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo: Martins Fontes, 2012b.

______. Agir comunicativo e razão destranscendentalizada. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012c.

PRESTES, H. N. Validade em educação: intuições e problemas na recepção de Habermas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

______. Educação e racionalidade: conexões e possibilidades de uma razão comunicativa na escola. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

KUENZER, A. Z. Ensino médio e profissional. As políticas do estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 2007.

LONGHI, A. J. Ação educativa e agir comunicativo. Caçador: UnC Caçador, 2008.

MACHADO. M. M. Formação de professores para EJA: uma perspectiva de mudança. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2-3, p. 161-174, jan./dez. 2008.

NÓVOA, A. (Org.). Formação de professores e profissão docente. In: Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995.

OTRANTO, C. R. Criação e implantação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs. Retta, UFRRJ/PPGEA, Seropédica, RJ, v. 1, n. 1, p. 89-108, jan/jun. 2010.

PIMENTA, S. G., ANASTASIOU, L. das G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

SHIROMA. E, O; FILHO. D. L. L. Trabalho docente na educação profissional e tecnológica e no PROEJA. Educação e Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 725-743, jul/set. 2011.

______. O eufemismo da profissão. In: MORAES, Maria Célia Marcondes de (Org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SOARES, L. J. G. O surgimento dos Fóruns de EJA no Brasil: articular, socializar e intervir. In: RAAAB, alfabetização e Cidadania – políticas Públicas e EJA. Revista de EJA, n.17, mai. 2004.

VEIGA. I, P. A. Docência como atividade profissional. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; D’AVILLA, Cristina Maria (Org.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas: Papirus, 2012.

______. QUIXÁDA VIANA, C. M. Q. Formação de professores: um novo campo de possibilidades inovadoras. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; D’AVILLA, Cristina Maria (Org.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas: Papirus, 2012.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR