Adaptações curriculares para o ensino-aprendizagem de alunos com baixa visão

Ricardo Souza da Silva, Ademilde Aparecida Gabriel Kato

Resumo


A visão é um dos sentidos mais importante para o ser humano é através dela que se obtém uma imagem integrada do mundo, é responsável por cerca de oitenta e cinco por cento das informações que recebemos, por meio dela apreendemos o mundo. A visão reduzida causa inúmeros prejuízos à pessoa, a área mais afetada é a aprendizagem. Considerando que o aluno com baixa visão necessita de adaptações pedagógicas nos diferentes aspectos da organização do espaço escolar, neste trabalho se buscou verificar as adaptações curriculares realizadas no interior da sala de aula comum e em atendimento especializado para deficiência visual, pertencentes a rede municipal de ensino de Sinop/MT. Constatou-se que a inclusão e atendimento ao aluno com deficiência visual, não corresponde ao discurso político e pedagógico do Plano Municipal de Educação de Sinop. Vários fatores contribuem para a não efetivação deste modelo de educação, dentre eles: acessibilidade física, escassez ou inexistência de materiais pedagógicos adaptados, falta de recursos tecnológicos e ópticos, inadequação do mobiliário, iluminação precária, paredes escuras e sujas, espaços pequenos, destinação à escola de verbas insuficientes para as adaptações necessárias, morosidade no cadastro do aluno no censo escolar nacional, e ainda, instalações provisórias e improvisadas, alocadas para funcionamento de salas de aula, inadequadas, principalmente para o aluno com baixa visão.

Palavras-chave: educação; educação especial; baixa visão; adaptações curriculares; aprendizagem.


Referências


ARAÚJO, Aneide O; OLIVEIRA, Marcelle . Tipos de pesquisa. Trabalho de conclusão da disciplina Metodologia de Pesquisa Aplicada a Contabilidade - Departamento de Controladoria e Contabilidade da USP. São Paulo, 1997.

BARRAGA, Natalie. C. Increased visual behavior in low vision children. 2. ed. New York: American Foundation for the Blind, 1977.

______ . Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual SEESP / SEED / MEC Brasília/DF, 2007

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Avaliação educacional para alunos com baixa visão e múltipla deficiência na educação infantil: uma proposta de adaptação e elaboração de instrumentos. Brasília: MEC- SEESP, 2002.

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA- Departamento de Oftalmologia da Associação Médica Brasileira. São Paulo, 2009.

DALL’ ACQUA, Maria Júlia Canazza. Intervenção no ambiente escolar: estimulação visual de uma criança com visão subnormal ou baixa visão. São Paulo: Unesp, 2002.

FOSTER, A.; GILBERT, C. Epidemiology of Childhood blindness. Al Eye, 1992.

LORA, T. D. P. O professor especializado no ensino de deficientes visuais: um estudo centrado em seus papéis e competências. Tese (Doutorado)–Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

SILVEIRA, Cíntia Murussi. Professores de alunos com deficiência visual: saberes, competências e capacitação. Porto Alegre, 2010.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Avaliação QUALIS (2017): B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; Educação Física; Interdisciplinar; Linguística e Literatura; Sociologia

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR