O uso da água numa perspectiva socioambiental: a escola como formadora de práticas ambientais

Maria Elena Dias da Silva, Aumeri Carlos Bampi

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo analisar a maneira que as informações sobre a água são trazidas para os alunos, como os alunos captam essas informações e se de fato é posto em prática, tanto na escola como em casa o que é ensinado em relação ao cuidado com a água. O ambiente de pesquisa foi a Escola Municipal Ana Cristina de Sena, e o público participante da pesquisa foram os alunos do primeiro ano. Para o embasamento teórico usamos os autores: Almeida, Barros, Brandão, Marcuse e Zart. Utilizaram-se perguntas relacionadas ao uso e preservação da água para analisar a percepção e/ou preocupação dos professores e da escola sobre o assunto. Através dessas perguntas/entrevistas, percebeu-se que falta muita informação e que os profissionais da educação ainda se encontram insuficientemente preparados para trabalhar a questão da Educação Ambiental relacionada ao uso da água. Para a pesquisa com as crianças, foram usados desenhos feitos pelas mesmas, sobre o tema da preservação da água, concluindo que a realidade das crianças, na maioria das vezes, é oposta ao que diz respeito principalmente à palavra preservação. Portanto, a preocupação essencial e conclusiva é em saber se os métodos didáticos diários que exigem ações e orientações podem fazer sentido para as crianças, e criar campos de interconexão para o exercício de uma Educação Ambiental relacionada à água, dentro e fora do cotidiano escolar.

Palavras-chave: educação ambiental; preservação da água; importância da água; utilização da água.


Referências


ALMEIDA, Rosângela Doin de. Uma Proposta Metodológica para a compreensão de mapas geográficos. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São

Paulo, São Paulo, 1994.

BARROS, Carlos; PAULINO, Wilson. Ciências: O meio ambiente: 5ª série. 71. ed. São Paulo: Ática, 2000.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Aqui é Onde Eu Moro, Aqui Nós Vivemos. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 2005.

GOLDENBERG, Mírian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999.

MARCUSE, H. Eros e civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.

PCN – Parâmetros curriculares Nacionais: Meio Ambiente e Saúde. Brasília, 1197.

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SINOP – 2008/2018.

PEREIRA, Ivelise C. NETO; Germano G. Educação Ambiental no Parque Florestal de Sinop (MT). Cuiabá: EdUFMT, 2009.

Revista brasileira de educação ambiental. Rede Brasileira de Educação Ambiental. Brasília, n. 2 fev. 2007.

ZART, Laudemir Luiz. Educação ambiental crítica: o encontro dialético da realidade vivida e da utopia imaginada. Cáceres-MT: UNEMAT Editora, 2004.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Área do conhecimento: Ciências Humanas

Ano de fundação: 2010

ISSN: 2236-3165

DOI: 10.30681/2236-3165

Título abreviado: Even. Pedagóg.

E-mail: eventospedagogicos@unemat-net.br

Unidade: Faculdade de Educação e Linguagem - FAEL

Avaliação QUALIS Quadriênio 2013-2016: B1 Ensino; B3 Planejamento Urbano e Regional / Demografia; B4 Ciências Ambientais; B4 Educação Física; B4 Interdisciplinar; B4 Linguística e Literatura; B4 Sociologia.

cope_75 Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

88x31_88 Este periódico está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada. http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR