MANUEL BANDEIRA E LUCIANO DE CRESCENZO COMO RECRIADORES INTERTEXTUAIS

Maria Celeste Tommasello Ramos

Resumo


No presente estudo, apresentamos dois escritores que criaram por meio do diálogo intertextual:
o brasileiro Manuel Bandeira (1886-1968) e o italiano Luciano De Crescenzo (1928). De Manuel
Bandeira enfocamos o diálogo intertextual criador e re-criador em suas poesias, focando na
análise da construção intertextual do poema “Antologia”, por meio da intertextualidade restrita
ou autotextualidade. De Luciano De Crescenzo consideramos três romances: Elena, Elena, amore
mio; Nessuno e Ulisse era un fico, para nos determos rapidamente no terceiro e analisar nele a
reescritura do mito de Ulisses, já empreendida por De Crescenzo, com base no diálogo intertextual
com os textos homéricos, em Nessuno. Nós nos apoiamos em considerações de Rosenbaum
(1993), Thomazello-Ramos (1994), Ramos & Nigro (1998), Ramos & Bellissimo (2017),
Sant’Anna (1988) e Dallembach (1979), para confrontarmos as homologias existentes entre as
construções intertextuais dos dois autores estudados.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Visitas:

 

Este periódico está licenciado sob Creative Commons BY 3.0

 

ISSN 1983-8018

Avaliação Qualis B2 (2015-2016)

Os artigos publicados na REVISTA DE LETRAS NORTE@MENTOS são indexados em:

imagem_indexadores_512

Resultado de imagem para periodicos capes